Poesia-proseada II

Tua mente que não minta para ti quando indolente a bela menina insinuar amor onde habita paixão. Porque este fogo que logo s’esvai, esta chama que a labareda mata, não pode cozer tua antiga receita. O inflamado vermelho ela cultiva para queimar teu corpo e o tostar, para calcinar tua carne em torrão. O amor, esta brasa permanente, é o calor são que mantém a vida e alimenta quem põe anel na mão.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *