Notas do Silêncio — I

O silêncio convém apenas a espíritos que mergulharam no profundo da Linguagem. Todos os demais, superficiais na Palavra, precisam do barulho para sobreviver ao próprio vácuo de Significado.

À inteligência convém o silêncio, porque a alma é serena e fluidamente pacífica nos homens conscientes. Ouvi-la, a inteligência, requer atenção sob-espiritual. Sob-espiritual: o fluxo comunicativo entre o homem e a Imagem-e-Semelhança. Uma atenção que dispensa a ação sonora exterior.

Poucos homens prestam atenção aos seus sons corporais. Não distinguem os batimentos cardíacos e são incapazes de entendê-los como correspondentes às batidas das percussões musicais que às vezes lhes movimentam a psiquê. No máximo, ouvem a própria flatulência quando se preocupam com a possibilidade de que alguém lhes tome por broncos incivilizados. Preocupação superficial, cosmética — a-ética. O som dos movimentos dos braços, das mãos, das pernas, dos pés, dos dedos, das articulações e juntas. O som do átomo.

A burrice está para o pensamento como a feiura está para os ângulos. No pensamento, o silêncio é a vírgula da dízima periódica do infinito posto na imaginação.

Estoure todo a energia num boom de nada!

Há níveis sub-animalescos e eles correspondem à anti-espiritualidade demoníaca. Níveis sonoros. O sub-animalesco é o demoníaco, porquê na hierarquia das criaturas ela corresponde à degeneração do mais elevado. Não há animal que não seja, pois, bom. Não há perversão animal. Há, isto sim, graus de perversão humana que a nivela aos animais pelo instinto. O sub-animal, contudo, ultrapassa o instinto (que, em certo sentido, mantém estrutura boa) e desce à degeneração consciente, nivelando o homem a específicos animais — daí, a simbólica dos vícios valendo-se da fauna planetária.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *