Esponjas de sol — XXX

  1. Nunca contei minutos para nada. De que serviria isto? Fazer contas constantes com o tempo, com seus números e vácuo, de nada serve para quem decide correr o “terrível risco” de entregar-se à vida para fazer frente ao tempo fátuo. O tempo é uma palha no agulhal, uma reserva de nada, um rabisco de escuridão enraizada na nuvem, um nada. Vive em Deus, apenas. É preciso que te importes com tua vida, mas cronometrá-la, sendo tu um filho dEle, que É Eterno, é fardo à toda, é imbecilidade, é matemática insubstancial, é nada!
  2. Se tu amas a Deus e tens com Ele uma vida em “jardim”, uma vida interior em que apenas tu e o Senhor dialogam (e da qual, então, está excluído o falatório mundano), a tua alma viverá em paz perfeita e constante. O Mundo desabará em sua própria loucura e ranger de dentes, mas tua alma estará de pé diante da tempestade, toda cheia de consciência e serenidade ensolaradas. Se tu amas a Deus, teu silêncio externo testemunhará este teu diálogo interno e, consequentemente (como é consequente que a água faça brotar a semente), levará consciência aos que te rodeiam e aos que te odeiam, aos que te circundam e aos que te circulam, aos que te escutam e aos que de ti se ocultam.
  3. Pode parecer besta como o cachorro correndo atrás do próprio rabo, mas é isto mesmo: o sentido da vida é existir e o sentido da existência é viver. O teu desempenho metafísico tem valor à partir do fato de que és fato físico e o fato físico de que és ente tem valor à partir do teu desempenho enquanto ser.
  4. As branquíssimas luvas de arminho de Sua Majestade Graciosíssima estão manchadas com o sangue do pequeno Charlie Gard. Sangue carmesim. God save Charlie!
  5. Não é difícil reconhecer uma pessoa insubstancial. Quero dizer: uma pessoa de alma flácida, malemolente, espiritualmente desnutrida, superficial como verniz fino em tronco podre. Basta prestar atenção em como ela gasta o próprio tempo. É batata! E a tempo gasto com qualidade de modo algum refiro-me a “desportos intelectuais” (como leitura e demais modalidades olímpicas da Alta Cultura). Tempo bem gasto é tempo em que a pessoa faz bem verdadeiro a si e aos outros — de dormir corretamente a obedecer conscienciosamente à Lei de Deus, de trocar de canal ou desligar o celular quando baixarias de qualquer tipo vêm tomar atenção a dar um copo de água bem cheio e fresco a um mendigo, de não comer porcaria antes do almoço a não passar os finais de semana mergulhado na lama baladístico-rivotrilizada do mundo. Uma pessoa substancial em si condensa, ao mesmo tempo, autodomínio e destemor, serenidade e galhardia, profundidade e bom humor. Uma pessoa substancial empenha sua vida em ser melhor segundo a segundo, minuto a minuto, hora a hora, dia a dia…
  6. O orgulho das próprias misérias é, de longe, o maior sinal de degeneração espiritual. A pessoa vive irritada e cheia de inquietude, com a alma cuspindo sangue e pneuma, não tem paz consigo e com os outros e, transbordando a própria concupiscência, ainda é iniquamente capaz de rir da retidão e da santidade, debochando [petulante e acidamente] contra a Lei de Deus e Seu Sumo Bem e ostentando soberbamente seus pecados como se estes fossem douradas medalhas de honra ao mérito. Pois é… O Senhor mesmo deu a dica: “pelos frutos os conhecereis.” Mais ainda, disse o Cristo: “Ai de vós, os que agora rides, porque vos lamentareis e chorareis.” (Lucas 6:25)
  7. Quanto mais tu entregas tua vida a Deus, mais tua vida a ti mesmo pertence. Quanto mais tu te submetes aos desígnios do Senhor, mais teus próprios desígnios te fazem livre. Glorioso paradoxo!
  8. A Fé em Deus é a gotícula d’água que me inunda, e que por imersão me batiza o tempo todo.
  9. De decepção em decepção, bom Mestre, ensinaste-me a distinguir no firme a ilusão e na mais concreta rocha o núcleo de dispersão.
  10. Entre as visões dos olhares, entre os sorrisos das bocas, entre as coisas sãs e loucas, entre os deuses e os versos, entre qualquer coisa e nada, entre o espírito o os nervos, entre a alma e os intestinos, entre os lírios e as daninhas, entre a janela e o sétimo céu, entre o cérebro e o sanitário, entre tudo e todas as coisas, uma voz meiga vocifera: eu.
  11. O homem que, quando menino, nunca sonhou-se senhor dum castelo, talvez nunca será, adulto, senhor da própria alma. Na infância, enquanto cavava meu fosso e erguia minhas muralhas e torreões à partir da terra molhada retirada no fundo do quintal, eu marcava meu espírito com estas idéias de soberania e liberdade, de valentia e consciência, de luta e paz, de tempo e eternidade. O homem que, quando menino, nunca foi senhor dum castelo, nunca será, adulto, senhor da própria alma.
  12. Um flautim tocou solitário ao meio dia. / Se fosse à meia-noite, haveria contexto. / Mas, não: escolheu o pico do sol e soou. / Soou para anunciar o toque da trombeta.
  13. Sem Deus, nada que é humano pode por si mesmo se sustentar. Do ritmo pulsador do coração aos sentimentos do coração, tudo vira poeira ou cimento (quer dizer, esvai-se para além da própria natureza nas suas opostas possibilidades de ser) se não está lá o Senhor para harmonizar em unidade orgânica e fecunda o espírito à alma e ao corpo. Por isto, bem-aventurado é o homem que “constrói sua casa [sua unidade de consciência] sobre a rocha” (Mateus 7:24) e que é “árvore plantada junto às águas [que bebe da água da vida constante e permanentemente, quer dizer: que se nutre da Alma Divina], que estende as suas raízes para o ribeiro” (Jeremias 17:8). Não à toa, está escrito: “Sem mim nada podeis fazer” (João 15:15). Sem Deus, tudo que é humano não pode por si mesmo se sustentar.
  14. Escolhe Deus, e a boa dúvida carcomerá todas as tuas falsas crenças — exceto a Fé, real e racional como o teu eu. Escolhe a Esperança, e o pessimismo que mórbido espera o Fim e o teu fim se desfará ao mínimo sinal do sol particular do teu coração quando ele vier abrasar teu ser. Escolhe o Amor e, então, as afeições egoístas e os afetos desordenados e as proporções plúmbeas da tua alma se desfarão em justo sentimento espiritual. Escolhe o Céu, e a Terra perseguirá teus rastros, farejando a vida que escapará de cada existente pegada que caminhardes rumo à Sião. Ora, assim, ao Pai: teus olhos volvei nos meus, Senhor, porque eles despregam as escamas de Treva — estas armaduras de ceticismo! — que me impedem de ver, de olhar, de reconhecer o Invisível.
  15. Alguém disse: “Niilismo é coisa para crianças.” CARAMBA!!! Niilismo é coisa para adultos. Que miserável, desgraçada e infeliz criança já concatenou a densidade oca de um “Assim falou Zaratustra”? A negação do soninho primordial às 15h, o ódio racionalista ao vácuo da Ruffles no recreio, a dúvida pós-cartesiana do “amigo invisível”, a dubiedade entre as versões de mamãe e vovó acerca da natureza metafísica do bicho-papão à hora da cantiga de ninar, enfim, a incerteza de comer papinha sem saber da molecada somaliana, de dormir pra caramba sem saber o que é ansiolítico, de brincar com soldadinhos de chumbo sem saber de Auschwitz e Treblinka? Não. Niilismo é coisa de criança que nasceu adulta e que, por isso, precisa ser mais criança. O Niilismo, filosoficamente, é uma desgraça existencial (uma desgraça muito mentirosa, não obstante a atratividade que exerça sobre espíritos menos ontológicos e mais suspensos). Mas, é coisa de adultos.
  16. Os heróis são estátuas vivas. Apesar de todos os movimentos do corpo e da alma, neles predomina a pausada segurança da Eternidade: parecem estar postados e parados diante dos mares humanos e das tempestades divinas, mas apenas parecem estar postados e parados. Imagem de resolução e sabedoria estáticas, eles vibram tão rapidamente de um ponto a outro [ida-e-vinda do ser-no-ente] do próprio espírito que parecem estar centralizados altaneiramente sobre o globo, plantados e enraizados na terra. É “ilusão de ótica”: eles estão estatuados porque estão, a todo instante, se auto-esculpindo num velocíssimo ziguezague imperceptível. O herói não estagna, temeroso, diante do desafio. Este é o proceder do estúpido que faz-se inerte diante do colosso inimigo. O herói, valoroso, conscientemente escolhe fazer frente a quem e àquilo a que se lhe opõe. Os heróis são estátuas vivas que, mortas, tornam-se estátuas (em bronze, em granito) da vida e… por isto também se movem.
  17. A suavidade das lânguidas mãos da amada

Deixou do cálice dourado três gotas cair.

Titubeou té da borda reluzente se ir esvair.

Um’a terra absorveu. Outra da boda o altar

No alvo tecido sorveu — linho cor de marfim.

A terceira, lanceada, esta pousou em mim:

Na língua que o pão já havendo ceado ali,

Foi descansar do sangue a sua vera parte.

E aqui, nestes versos, celebro-a em arte.

Oh, doce gota do espinho em dor vertida,

De Adão a velha sede cessou no coração.

O eu que me destes é Tua maior adoração.

  1. Não há dúvidas de que, popular e culturalmente, o Nazismo cresceu sobretudo em solo protestante. Por que? Ainda não sei. Perda do místico diário? Talvez.
  2. Uma das coisas mais imbecis no “jogo do amor” atualmente dominante é o fato do interesse amoroso ser aguçado ou despotencializado com base, justamente, no grau positivo ou negativo de interesse do outro. Explico: se aparenta ter sido “fácil” a aderência à pessoa, esta desconfia do apego e o repudia empinando o narizinho com um ar do tipo “se gostou de mim, boa coisa não é”; porém, se se distrata e se desdenha com boas doses de desprezo (então, é-se “difícil”), ela imediatamente fica gamada e, com o rabo entre as pernas, se humilha e corre atrás porquê “se não gostou de mim, boa coisa é”. Esquisita necessidade de rejeitar quem aceita e de aceitar quem rejeita. Em suma, entre bestas quadradas, fazer-se de difícil ou parecer-se fácil afeta completamente o julgamento do outro — atraindo ou repelindo. É um julgamento irracional, que descarta por atacado sem crivos de realidade individual, como se o valor da possibilidade de relacionamento repousasse neste “cartão de ouro” cujo maior preço é o da mais bem teatralizada repulsa e cujo menor preço é o da abertura menos dificultosa ao amor (o da atração pura e simples). Balzac nos ensina: “Parler d’amour, c’est faire l’amour.” O que é, é: age por que é e não reage pelo que não é. Conselho oportuno: menos orquestração abstrata de carências (entre baixa e alta auto-estima soberbas) e mais realidade afetiva e efetivamente palpáveis, pessoal.
  3. Em tempos de correção, o Brasil deveria bombardear Míraflores e todas as bases-fortes principais venezuelanas. Sic semper tyrannis! [5.8.2017]
  4. Refazendo Mateus 21:13: “A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de arquitetos.”
  5. A beleza de uma mulher boa aguça e potencializa, com amor, a inteligência do homem. Eis a “mousa” (a musa). A beleza de uma mulher má faz imbecil, com paixão, até o mais elevado gênio. Eis a “femme fatale” (a mulher fatal). Estão aí toda a Literatura e História dos milênios humanos para prová-lo abundante e fartamente. A beleza, então, que é, em matéria de atração, senão uma consubstanciadora do espírito? Da “bela viola” haverá de sair boa música e o “pão bolorento” será dado em ração aos porcos. A boa irá, contigo, viver até que a morte os separe; a má, contigo e talvez com outros, mastigará teus anos até que a existência os separe. Salvação e perdição pela beleza.
  6. Um pouco triste sempre serás se teu coração a verdade quiser deter. Mas, olha, que a alegria viverás mais que todas as gerações ao nascer. Um pouco triste sempre serás se teu espírito afiado e decidido viver a guerrear contra o vil Satanás. Maior gozo e júbilo é em paz morrer.
  7. O barco viking é uma iluminura de madeira.
  8. O Estado não compõe o Estado. A Sociedade, esta sim, é chamada a compor o Estado. Por isto, também contra o financiamento público de campanha.
  9. Para o gênio, aprender o errado é dificílimo. Ele se parecerá com um asno dos mais chucros quando tentarem lhe ensinar besteiras e tolices escolares e universitárias — por mais alegadamente “científicas” e “acadêmicas” que elas sejam.
  10. Nimrod, de Elgar: partícula de Eternidade que calhou desabar no Tempo, música-tema para um sermão sobre o Kairós na vida de santos e heróis.
  11. Não restará uma única basílica, uma única catedral, um único santuário, uma única igreja, uma única capela quando vier o “Dies Irae”. Os afrescos da Sistina se despregarão do teto ardente, o Muro dos Reformadores cairá para não se levantar, a Hagia Sophia se auto-implodirá como Jericó, enfim, todo velho altar nosso se desfará para que venha “Siló”. Nosso coração arde de zelo pela “Casa de Deus” — pelo templo –, mas tudo isto é aqui figura passageira. Tudo se fará novo um dia. Antíoco sacrificou um porco no templo. O Inimigo sacrificará o próprio templo. Recorda, recorda.
  12. O mundo é uma espécie de bolha de pedra, que infla petreamente, e que vai estourar petreamente.
  13. A vida não se compromete com quem corre de compromisso. Se tu queres viver, então, corre de quem corre de compromisso. Corre quando te forem ofertados apenas uma noite, apenas um fim de semana, apenas algumas semanas, apenas uns meses, apenas um ano ou mesmo apenas um bom punhado de anos: corre quando te forem ofertadas algumas miseráveis e esvaentes calendas da existência. Corre de quem não quer “viver a vida” toda amorosamente comprometida, porque não quer entregá-la definitivamente à outra vida — e, então, fazer de duas vidas uma só vida para sempre. Corre, porque nada que valha a Eternidade tem o começo tão próximo do fim, com prazo de validade materialmente prescrito feito rótulo de comida congelada. Sem compromisso (com juras de boca e de coração) que almeje passar do mármore quente do altar ao frio granito do sepulcro? Corre! Sem compromisso (com juras em ações e reações) que deseje desgastar vagarosamente o ouro da aliança na pele do dedo anelar envelhecendo? Corre! Sem compromisso (com juras para si e para ti) que entronize o amor a Deus como avalista permanente do amor conjugal? Corre! Quem não se compromete para o amanhã, anota, apenas promete o hoje. Compromisso é lealdade, sabes? Corre como Forrest Gump, corre como Fidípides, corre como deve correr o atleta cristão. Dura é esta palavra: a vida se compromete com quem corre para o compromisso.
  14. O mundo, senhoras, deveria estar assim organizado para o valor vos louvar, mas as trevas e a ignorância e também a ânsia da maldade, do pecado e da amorosa injúria, arranca da maioria imensa a merecida loa. Pois aqui este homem vil e à toa eleva rimas e versos à vossa formosura.
  15. O porco e a jóia de ouro, o porco e as pérolas: a comparação entre o baixo e o elevado, entre a miséria e a riqueza, entre o pecado e a virtude. Mas, será metal dourado o tal ouro e branco-prateada a pequena bolinha preciosa? Não. É seu inverso: é a terra úmida e fértil, a terra que não é o barro lamacento… do porco! É a humanidade original resgatada: o rio passa sobre o leito, mas, onde o chão de pocilga?
  16. Eu ouvia já tantas belas palavras, mas qual haveria de comover-me se tanto virtuosismo e preciosismo atiçavam-me com retórica e desejo intelectual sem o mínimo traço de sinceridade, sem o mínimo rastro de espiritual verdade no coração? Do púlpito, Senhor, tanta grandeza arqueológica, tanta apologia científica, tanta prova e indício e sinal de que o Escrito era sim realidade. Mas, Senhor, onde Tu? Onde, naquele jogo bonito de fraseados com seus efeitos tão potentes à emoção, Tu? Onde? Em vão eu Te procurava nos testemunhos da lógica racional. Crente, não duvidava. Mas, duvidava: porquê incrédulo no âmago do que dizia-se de Ti e do Teu passeio por aqui. Sabia-Te existente, o Ser. Mas, onde Tu? No grego da semântica, no latim da acepção, no aramaico do vernáculo — não estavas. Eu Te encontrei, Senhor, naquele dia em que oito mãos ergueram o caixão de meu avô e sob o velho sepulcro depositaram um antecessor de meu pai, um antecessor meu, um antecessor que será de meu filho que um dia vem. Reconheci-me no pó de carne fria, de sangue frio — pó frio. O Teu plano de salvação para os dois anos de meu avô, o Teu plano de salvação para as muitas décadas de meu pai e o Teu plano de salvação para toda minha vida. O silêncio da beleza fúnebre converteu-me. Ali a ressurreição fulgurante; e ali pude tocar tuas chagas, oh Senhor de mim e Deus de mim. Então, naquele tempo de quatro velas e coroas de flores e lágrimas mal colhidas em lenços amarrotados, a Tua voz que eu não podia escutar no púlpito dos doutores, na sala-de-aula dos mestres, no valado igrejal dos pastores, a Tua voz eu escutei: Vem para fora!
  17. Apenas a luz reconhece (e pode conviver com) outra luz, enquanto as trevas entre si mesmas se desconhecem em cegueira dual e antagônica (porque nenhuma treva é igual à outra e uma escuridão não pode se ajustar à outra). A luz que encontra a treva ou a ilumina, compartilhando de si a incólume partícula flamejante capaz de acender fogo no breu vacuoso, ou se desnuda, fulgor a fulgor (penumbrando-se, ao mesmo tempo), até que acabe também treva. O “jugo desigual” referido por São Paulo em II Coríntios 6:14 é isto e só isto.
  18. Conforme tu avanças na vida espiritual, tu avanças em discernimento acerca das coisas visíveis (a humanidade, porquê horizontal, entre elas está) e invisíveis (aquilo que tem poder, vertical apenas, sobre a humanidade). Compreenderás a profundo — o interno — as coisas que afetam o homem pelo que ele mesmo é e compreenderás a fundo — o externo — as coisas que afetam o homem para ser o que ele ainda não é (divinas e boas ou demoníacas e más). Então, decifrando-as sob a tutela do Espírito Santo, tu te tornarás um enigma para todos. O chaveiro exímio tem chave para todas as portas, mas ninguém tem a chave que abre sua porta, a porta da chavearia. A tal lugar se chega quando, primeiro, tu sabes quem és. Como Quixote, tu deves antes verdadeiramente dizer “Yo sé quién soy” para que, então, depois, efetivamente digas: “Eu sei quem sois!”. Recorda, a propósito: “Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.” (I Coríntios 2:15)
  19. A medida que se perde o alto sentido de Deus, o homem perde seu próprio sentido interior e, então, se entrega à busca dos baixos sentidos no mero nominalismo que o mundo exterior chama “sentido”: o nada, o nada excruciante.
  20. Moço, moça — jovens do Senhor: é preciso que tenhais a coragem salvadora de mirar nos olhos de quem vos enamorais e, então, em breve ultimato espiritual, dizer: se tu não amas a Deus, não poderei amar-te!
  21. Cristo crucificado, Cristo morto, Cristo ressuscitado: espírito, alma e corpo.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *