Esponjas de sol – XXVI

772. A inteligência humana se limita a si mesma quando as certezas — positivas ou negativas — são demasiada e abarcantemente obsessivas. Quem muito (e em quase tudo) crê, pouco sabe. Quem pouco (e em quase nada) crê, pouco sabe.

773. O que na vida vale à pena, diziam nossos avós, passa por nós como oportunidade uma só vez: é o “cavalo encilhado” que não passa duas vezes. Se não pulamos sobre o corcel e o cavalgamos com energia, passam logo atrás seus potros e pangarés degenerados de mesmo caminho-e-linha; e nalgum deles nós tomamos destino: surge a oportunidade de ser rei dalgum estado nacional nascente e, se não tomares para ti a coroa, acabarás chefe de medíocre partido interiorano ou mesmo o “rei do frango frito” de Pitangueiras. Está ali, porém, o mesmo “destino equídeo”: governar sobre alguma coisa — nobre, insonsa ou vil. Surge a oportunidade de amares a mais elevada e importante (ao menos certamente para ti) mulher entre as mulheres: se não a amares, acabarás amando a mais esperta trigueirinha de toda a paróquia ou a amante do amante da amante do senador fulano-de-tal. Surge a oportunidade de, tendo talento para a pintura, te matriculares na mais prestigiosa academia de artes dalguma capital europeia: se não vais tomar lições com os mestres consagrados, tornar-te-ás retratista nalgum gueto suburbano asiático ou pintarás com desvelo os rodapés dalgum burguês abastado quando este quiser reproduzir no seu triplex soteropolitano o teto da Capela Sistina. O que na vida vale à pela, digo para ser também avô, passa como oportunidade uma só vez.

774. O que quero e desejo, respectivamente, é entender a compreensão e compreender o entendimento. Tal é o meu “sagrado graal” em matéria de Cognição.

775. Se um medo te atormenta, cuida para que ele não povoe teus sonhos. O medo nada é senão teu pavor; um pavor que pode abastecer de narrações as tuas noites. Mas se tu enredas fortemente tal temor no teu espírito, mas se tu o energizas com a potência criadora dos teus sonhos (e pesadelos…), há sempre a possibilidade de estares ou profetizando teu futuro viandante ou, à força da tua capacidade mental, recriando realmente o medo abstrato no theátron do mundo concreto.

776. Quando o mundo acabar, não acabará. / Não pode ter fim se não teve começo, / Não pode findar se não pôde respirar. / O mundo que acabará é só a semente / Que apodrecerá para a árvore brotar.

777. Quem mais chega a compreender uma língua, aproximando-se do Verbo por detrás dos verbos, é também aquele que mais percebe o quão pouco o significado verdadeiro das palavras tem a ver com o pseudo-significado venial e ordinário do dia-a-dia. A linguagem é a base da vida mística.

778. Saul e Saulo — benjamitas: o primeiro, odiou Davi e morreu[-se] em seu ódio; o segundo, odiou o Filho de Davi e renasceu em Seu amor.

779. Para um gênio (ou um sábio-fazedor), a vida é uma caminhada de fim de tarde na aldeia que se faz com a força despendida numa maratona metropolitana. É uma “blitzglatt” — um relâmpago suave. É como se o tempo fosse outro: um gêiser escoando para cima como um fio d’água de goteira para baixo.

780. O coração do homem sincero se encontra sempre entre o céu e a terra, entre a santidade e o pecado, entre a luz e a escuridão, entre Deus e o eu (não o diabo, que é um “atravessador existencial”). Há uma dialética tremenda puxando a alma do homem consciente ora para o pico da montanha ora para o fundo do abismo. É como estar, ao mesmo tempo, amando uma mulher e apaixonado por outra. Trata-se de uma duplicidade inerente à constituição mesma da nossa natureza, que nos alinha a pensamentos e sentimentos auto-dúplices de mesmo fulgor atrativo, de mesmo fervor passional e de mesmo penhor desejante. Perguntaram-me o que é tentação na vida cristã. É isto.

781. O artificial só auxilia a beleza quando “anima” aquilo que é natural. Mulheres cá das plagas facebookeanas, escutem-me: a opinião que vocês fazem comumente do nosso gosto (o gosto masculino) acerca de vocês mesmas é excepcionalmente distorcida e quase sempre não corresponde à realidade. A gente prefere as coisas como são (sem muitos rebocos da cosmética e plástisquismos). Vocês podem e até devem se adornar, mas o adorno — de quaisquer ordens estéticas — é e sempre será subsidiário, no máximo “micro-auxiliar”. Vocês é que nos agradam, nãos o barangandãs que vocês põem sob ou sobre a carne.

782. A nossa triste geração é aquela que consegue passar horas a fio no WhatsApp, mas que é incapaz de orar um singelo Pai-Nosso à hora de deitar-se porque já “está muito cansada”. Vai tudo muito mal…

783. A inteligência engessa a ciência quando é ingênua perante a ligeireza da intuição.

784. O que é, nesta vida, um mal entendido? Talvez mastigar isopor como  se pipoca sem sal fosse? Eu me engano quando chamo um urubu de “meu lôro” ou quando não distinguo o canto do canário do canto do curió? É mal entendido ouvir um “não, nunca!” na medida de um [meu] inconsciente  “não nunca!”?

785. No centro da clareira a fogueira ilumina mais?

786. Quem percebe um grão de sal na sobremesa e um grão de açúcar no prato principal? Só na receita…

787. Mestre, que é um homem errante?
É um homem que erra, aprendiz.

788. Grande crueldade: chamar de vagabundo a um homem cansado.

789. Com o coração numa mão, que se pode fazer com a outra? Libertá-la jogando seu carregamento no mar ou afagar este seu precioso depósito?

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *