Esponjas de sol — XXIX

  1. Tu exercitas teus pulmões e mergulhas no profundo mar para — sob o risco de morte, na dor do ar que te petrifica a respiração sob a pressão das águas frias — recolher tantas centenas de conchas e entre estas colher uma ou outra dezena de pérolas para cuidadosamente obrares um refinado colar para a mulher que tu amas. E ela, que faz, galardoada? Joga o precioso presente a um canto, enquanto muito se exaspera desejando as ordinárias coleiras caninas que outros lhe vendem caro. Está aqui o significado da exortação evangélica que manda não deitar pérolas aos porcos. O Senhor quer que gastes tuas forças em tão bela e heróica empresa. Não quer Ele, porém, que tua dedicada obra seja rebaixada à condição de bijuteria suína.
  2. Não gastarás tua poesia com quem tem alma de lama. Não gastarás as belezas do teu espírito com quem compra molduras para a feiura do mundo. Não gastarás tua voz que ora aos céus com quem se deleita em ouvir a gritaria da terra. Não gastarás teu olhar que terno transpassa o cosmos com quem apenas vê globos oculares lascivos. Não gastarás teu amor com quem mastiga afetos como Baal canibalizava os fetos hebreus. Não, não te gastarás com quem quer passar pela vida como a frouxa flatulência duma hiena moribunda à meia-noite. Não gastarás tua vida que aspira a Deus com quem respira o enxofre do próprio eu. Não, não te gastarás com quem não quer escrever a história própria e do mundo e, antes, prefere apodrecer junto ao calendário que a existência a todo tempo troca. Não. Não gastarás. Não te gastarás.
  3. Muitas das coisas mais bonitas e gostosas desta vida são as coisas que menos parecem deter beleza, que menos parecem ser capazes de gerar gozo. Digo, então: só quem está atento aos pequenos detalhes e minúcias do dia-a-dia é capaz de fruir certas delícias existenciais. Uma pequena lista, minha: o café que minha mãe passa às 6h, o som da voz das pessoas que quero bem, a lambida da cachorrinha e o afago ronronante da gatinha, o caminho semeado de cheiros (a construção, a praça, a padaria, o rio) até o trabalho, o bom dia sincero e o bom dia insincero (este último, me ajuda a melhorar até extrair da pessoa gentileza verdadeira), etc, etc, etc. Só vive entediado quem é incapaz de obter poesia extraordinária da prosa ordinária.
  4. Senhor, minha igrejinha é uma catedral. Está lá, no velho púlpito de madeira, a cátedra donde o Espírito doutora. E o alfarrábio do teólogo acaso sabe que no coração daquela senhorinha gemem mistérios dourados e loucos? Eu vi, Senhor, quando o pardal voou por cima das cabeças nossas e pousou no tanque de batismo de fria ardósia. Eu vi, Senhor, porque os olhos da ave, mirando a ceia na mesa toda posta, correram pelas ovelhas e se fecharam. Quem já viu passarinho com os olhos cerrados? Quem já viu a meditação de um serzinho de asas? Senhor, minha igrejinha é uma catedral. É uma escadaria de poucos degraus que me arremessa, feito estilingue de luz, para a terra suspensa no ar.
  5. Se uma coisa aprendi até agora, é que, em amor, fugas físicas (de passos para trás a caretas) correspondem justamente ao oposto do que materialmente parecem demonstrar: são sinais de paixão contrariada.
  6. Todos nós temos fome. Mas, o principal sobre a fome é a comida. É, própria e especificamente, o valor nutricional e prazeroso da comida. Veja: tu estás com uma fome avassaladora que te prega o estômago nas costas, uma fome felínea de leão jejuando no deserto. Aí, vem o capeta e te oferece todos os cachorros-quentes que tu podes comer (com Coca-Cola) em cinco míseros minutos. Comê-los implica, anota, em pagar seu preço: tua bússola. E a vendedora é uma sensualíssima capetinha de rabo vermelho! Porém, a sete quilômetros de caminhada está o sítio confortável, está a aldeia onde está o poço em que Rebeca retira água, está a mesa dos parentes diariamente cheia de arroz, feijão, ovo frito, bife, bata frita, salada de alface com tomate e suco de limão. A sete quilômetros do hot-dog do tinhoso está Rebeca. E Rebeca está, bem-aventurada, à mesa. Esta é a minha metáfora sobre amor e fidelidade.
  7. A genialidade dispensa bibliografia. Ela apela ao Real, não à estagnada manuscripturação da realidade como argumento para provar a si mesma.
  8. O Anticristo é a sombra de sua própria sombra.
  9. O caminho antigo que contei a ti / Quando íamos juntos pelo Minho, / Ele antevê o futuro final que vem / Quando o começo ainda é vazio.
  10. Os poucos pássaros que vi revoarem o céu / Corriam para o Leste em fuga do novo breu. / O colorido das penas em relance desapareceu / Diante do sombrio cinza que cindiu todo eu.
  11. O espelho mostra o que tu de ti demonstras.
  12. Tu, que não tens a Deus do nascente ao poente; tu que não tens a Deus desde quando soubeste que algo em ti te magnetiza em direção às coisas que acontecem nos céus, porque decidistes volver para baixo, para a terra, os olhos; tu que não apanhas da Eternidade um pouca da paz iluminante nestas borboletas depositadas, antes, caças os escaravelhos mofados nas tumbas antigas. Tu… és um louco!
  13. Para cada passo, um caminho de quilômetros se abre. Não decidirás por impulso, portanto. Mede teu pulso, mede o latejar das tuas sinapses, mede o espaço entre uma pegada e outra. Para cada passo, um caminho de quilômetros (talvez perigoso atalho) se abre. Não decidirás, portanto, impulsionado por corridinhas que serão maratonas ao cabo, infusionado por carreirinhas que serão peregrinações ao final. Para cada passo, um novo destino se fixa.
  14. Quando a Basílica de Santa Sofia / Voltar para o Altar de Cristo Jesus, / E quando na Terra de Santa Cruz / A Constelação roer no pendão o lema, / O Deus dos Exércitos nos dará a Guerra.
  15. O Credo de algumas igrejas há muito que superou em loucura o Credo dos Apóstolos do “Not the Nine O’Clock News”…
  16. O Manuscrito Voynich me parece ser uma peça de erudição criativa que amalgama ocultismo cientificista, alquimia, cabala e ficcionismo imagético-literário. De modo que apenas quem o escreveu saberia dizer-nos o que ele significa ou o que não significa ou mesmo se ele significa, propriamente, alguma coisa além dum engenhoso organismo semiótico.
  17. Tu, que sonhas sonhos tão altos, não percebes tua tolice? Tu não vês que o olhar humano não poderá romper os céus? As estrelas e a lua ao centro do teu coração, apaga da alma! Apaga enquanto a ilusão não te encarcera no calabouço das nuvens, apaga enquanto a sublimação não te arrasta para o lírico sótão abissal. / Eu, que sonho sonhos tão altos, percebo a tolice da tua razão. E vejo que meus olhos cortam os siderais do infinito ao além. As estrelas e a lua ao centro do meu coração iluminam-me a alma. Ilumino para que não haja “enquanto”, para que ele dure como o castelo do conto; ilumino para que o momento seja eterno como os corais da Natividade, que ainda cantam.
  18. É próprio do amor fazer tolice, mas não é próprio da tolice ser amorosa.
  19. Há muito de errado com um mundo onde a poesia já não toca o coração das mulheres e onde o heroísmo já não move o coração dos homens. Há muito de errado com um mundo onde o encanto, o charme e os olhares versificados já não entram no jogo da conquista. Onde as damas? Há muito de errado com um mundo onde a valentia, a honra e a dignidade não fazem do homem um sujeito pronto para os combates épicos. Onde os cavaleiros? Infelizmente, as mulheres estão dispensando a corte dos generosos de espírito em benefício destes farrapos humanos que mal conseguem galináceamente piar nos terreiros azonados da existência. Infelizmente, os homens estão dispensando a virilidade espiritual em detrimento destas hedonistas pseudo-conquistas boiadeiras, passat-rebaixadeanas e funknejas da existência. Há muito de errado com este mundo — que não quer viver.
  20. Quereria ensolar-se nos prados frios, / Sabendo que o gelo é pai dos calafrios / E que o gene do calor não é da estrela / E que o ancestral do fogo não é o sol.
  21. Dela amei a sombra grandiosa, / O potencial dourado e fulgente, / Aquilo que nela era pura luz. / Outra trigueirinha escuridão…
  22. O vai-e-vem da vida são badaladas de améns ao Pai. Tu és um sino.
  23. Pensamento existencialista dum profeta: O conhecimento das coisas que ainda não são, não terei jamais enquanto respirar aqui, aqui. É preciso que meu espírito se exercite quieto entre o relógio e os quereres dos que vivem. É preciso que meu espírito caminhe silencioso até que descubra em si mesmo a final canção.
  24. Não argumentarás com energúmenos.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *