CONSELHOS AMOROSOS | Parte 4 (e última) – Da Série Pessoalíssima: “Vivendo e Aprendendo”

X. Quando tu tens certezas certeiras para tua vida, não podes te submeter às incertezas desacertadas: quando tu tens um futuro mais ou menos posto por Deus no horizonte, não podes jogar tudo a perder por paixão em si mesma. Por isto, haverás de aprender a diferenciar um “rabo de saia” altamente sedutor de uma mulher para a vida toda, a diferenciar Dalila de Raquel. Talvez quererás que a Raquel do ideal seja a cavala Dalila de carne-e-osso que atiça teu âmago todo santo dia, que a mulher adequada para tua vida elevada seja aquela que vive ali e lá uma existência rebaixada que “bate com a bunda no chão”. Talvez tu mesmo te auto-enganarás com artimanhas piedosas: mentirás para ti mesmo inventando desculpinhas evangélicas de conversão e liberalidade para com aquele docinho de coco requebrante. Provavelmente, não terás condições imediatas de discernir se Luísa (ou Helena ou Beatriz ou Ana Clara ou Fernanda ou outra de nome outro) é uma Raquel ou uma Dalila, porque Dalilas também podem parecer-se com mulheres com disposição mental para uma vida profunda a dois, podem frequentar a tua igreja com ar de graça divina, podem ser pudicas beatas de quatro costados ortodoxos e, inda assim, serem Dalilas nervosinhas, Dalilas com piriguetice histericamente recalcada por escrúpulos pseudo-religiosos; ao passo que a moça danada — cabrita levada — pode carregar dormente no peito desabotoado e na cabeça avoada tal profundidade de riquezas que a ti pertencerá o garimpo, a fundição e a ourivesaria — a ti pertencerá todo o processo de mudança, de melhoria, de transformação, da metanoia dela. Por isto, anota bem: discernirás a Dalila nem tanto através das estéticas caricaturais, das imagens prototípicas, dos estereótipos 8-80. Discernirás Dalila na revelação silenciosa do dia-a-dia, quando perceberes que ela retira tuas forças morais, que ela mina tuas forças espirituais, que ela extrai tuas forças de ser e sentido e te faz alguém pior diante do Senhor; o teu coração sofrerá exaustões, padecerá fraquezas e anemias a ponto de te distanciares do Bem Maior, o Bem Maior que te chamou à uma vocação de Eternidade. Se não construir vida em ti, crê: estas diante de Dalila e deves largar mão! Quando for Raquel, a tua Raquel verdadeira e única, ela provocará em ti o tesão que Dalila costumeiramente provoca (que apenas e só isto provoca, anota também): teu corpo se fartará, mas se fartará porque também se fartam teu espírito e tua alma. Recorda aquele verso de António Machado: “No mar da mulher, poucos naufragam de noite. Muitos, ao amanhecer.” O mar de Dalila e Raquel é o mesmo. O que muda, o que tanto muda, é que Dalila vender-te-á, para que nela tu tentes navegar, uma canoinha com o menor e mais imperceptível furinho no casco (pelo qual irás a pique, mais cedo ou mais tarde); ao passo que Raquel dar-te-á para cada dia a nau necessária para singrá-la. Ela confirmará certeiramente tuas certezas e será tua companheira no horizonte diurno e noturno. Tu também terás que escolher o teu eu: serás para ela Sansão ou Jacó?

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *