CONSELHOS AMOROSOS | Parte 2 – Da Série Pessoalíssima: “Vivendo e Aprendendo”

IV. Quando te atraíres por uma mulher a ponto de tua pulsação voltar aos batimentos do primário ou dalguma taquicardia anterior, segura-te imediatamente no chão! Gasta pelo menos duas ou três semanas (ou um mês ou muito mais se necessário) a observá-la antes de propores seriedades. Mira os gestos e os gostos, as falas e os dizeres e, principalmente, com o que ela sorri, com o que ela ri, com o que ela gargalha. No humor da mulher reside densa parcela da sua alma. Observa-a e anota-a nos teus pensamentos. Aquieta os sentimentos, então. Observa de perto e de longe, como os ornitólogos põem os olhos nas aves raras do Tibet: com reverência profundamente religiosa e ao mesmo tempo com habilidosa curiosidade científica — com coração e cérebro calibrados. Se ires logo “pra cima”, não verás o que necessitas imperiosamente ver: ela como é na rotina, no dia-a-dia, na normalidade do tempo ordinário. Quando uma mulher sabe que tu a cativas, enfim, quando tu demonstras explicitamente tua atenção e intenção, ela assume outros ares — os ares da amante deliciosa e da amorosa penitente. Espia calmamente, porque nenhuma mulher é assim tão “mobile qual piuma al vento.”

V. Não é assim tão indispensável recordar datas se tanto amares a ponto de constantemente surgirem novas datas, que no calendário do amor efetivo acabarão sendo uma só coisa: o fato de que se ama no tempo. O “primeiro isto”, o “primeiro isso” e o “primeiro aquilo” só muito ficarão marcados na afetividade relacional de uma mulher se tu não te esforçares para sobrepujares cada acontecimento com outro de intensidade tão elevada quanto. Por que a primeira música do encontro deveria ser assim tão superior em importância à música que se ouviu (e comoveu) na rádio chiada do interior durante uma viagem na madrugada domingueira ou tão superior a música que vier embalar as idosas Bodas de Diamante? Apenas há tal hierarquia de datas importantes quando a relação vive de recordações e lembranças memoráveis do passado que não conseguem se manter no presente. A medíocre necessidade de decorares dias, meses e anos sob as naturais exigências (sim, a mulher detém este direito) dela, demonstra que tu não conseguiste fazê-la tão plena de datas que ela mesma não teria memória para guarda-las todas.

VI. Presentes são quase nada. Presença é quase tudo. Porque, nota bem, a presença implica em livremente presentear. Não: nada que ver com por sempre a mão na carteira e dispender somas vultosas com coisas caras e capazes de levares à falência até tuas miseras moedinhas engavetadas. Caro, para uma mulher, é o carinho. São singelos os presentes capazes de encantar uma mulher. E é o encantamento dela teu alvo. Mulher não é cara. Mulher é valorosa. Já experimentaste escrever-lhe versinhos nem que à moda “batatinha quando nasce”? Valem mais que sapatos, experimenta! Já roubaste no roseiral da vizinhança a mais vistosa flor e arrancando cada espinho com teus dedos (feridos, of course, mas que ditosos ferimentos!)? Valem sentimentalmente mais que os diamantes azulados vendidos pela Graff londrina. Estar ao lado dela dando o que se pode dar, dando o que se quer efetivamente dar, sendo a si mesmo o melhor que se pode dar é o ápice da conjugação do verbo presentear num namoro, num noivado, num casamento. A tua letra no papel e os teus versos bestas no papel valem mais que um soneto de Shakespeare; não porque sejam os teus rabiscos literários mais valiosos que as rimas preciosas do bardo, mas porque são teus para ela. A flor irisada do jardim de Dona Manuela vale mais que um estojo aveludado recém-saído do cofre; não porque os quilates custem na bolsa de valores menos que aquelas vistosas pétalas que em um dia já murcham, mas porque são tuas para ela.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium, sou agora acadêmico no 3o ano de Direito das Faculdades Integradas Padre Albino. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *